ANNONA NEOLAURIFOLIA

FAMILIA DAS ANNONACEAE

 

Compre o Guia: Frutas do mato: um guia de identificação, cultivo e usos:

Fascículo 1: 34 espécies de anonáceas brasileiras.

 

 

 

FLORES

FRUTO maduro (atinge 8 a 10 cm de diâmetro)

 

 

NOMENCLATURA E SIGNIFICADO: ARATICUM-AÇÚ vem do tupi e significa: “Fruta mole”, e o adjetivo AÇÚ descreve o tamanho grande do fruto (maior que 8 até 10 cm) sendo o maior dentre as espécies da região sul e sudeste. Também é chamado de Pindauva amarela graúda, Araticum Açu do mato e Araticum preto.

 

OBSERVAÇÕES: O antigo nome Rollinia laurifolia é valido apenas como sinonímia. Essa espécie difere-se de Annona neosalicifolia por ter folhas mais largas e longas e frutos maiores com aréolas ou mamilos arredondados e por ter casca interna de cor rosada e sementes mais estreitas. A Arvore tem copa densa e flondosa.

 

Origem: É natural das formações de mata de galeria dos cerrados e nas florestas semideciduas de cabeceira de nascentes nas regiões mais montanhosas. A planta é rara e ocorre em Minas Gerais e em São Paulo. Mais informações no link: http://www.floradobrasil.jbrj.gov.br/

 

Características: Arvore ereta de 5 a 12 metros de altura (quando na mata), com tronco esguio e de cor verde oliva a castanho claro, medindo de 10 a 20 cm de diâmetro. Essa espécie é facilmente identificada por ter folhas semelhante a de canelas ou louro (por isso tem nome cientifico laurifólia). As folhas são simples, cartáceas (como cartolina) oblongo-lanceoladas (estreitas como espada), glabras (sem pelos na face superior, e branco pubescentes (com pelinhos) na face dorsal; medindo de 7 a 16 cm de comprimento e 1,6 a 3,8 cm de largura. As flores são  pequenas, pardo tomentosas, axilares e tem forma de hélice, com 3 pétalas, com os nectários localizados em sua base. Na antese as flores tem delicioso aroma de maçã. Os frutos são sincárpios (união de vários segmentos) medindo 7 a 10 cm de diâmetro e polpa muito saborosa.

 

Dicas para cultivo: Planta de clima subtropical, mais resiste bem a geadas de até – 3 grau, pode ser cultivada em todo o Brasil, em qualquer altitude; adapta-se bem aos solos arenosos ou argilosos e vermelhos que sejam profundos, com pH de acido a neutro e com boa quantidade de matéria orgânica dissolvida. Pode ser plantado até em beiras de rios onde ocorrem inundações ocasionais.

 

Mudas: Sementes são pequenas, lisas, estreitas e meio triangulares no comprimento. Podem ser armazenadas depois de despolpadas e secas e em local escuro por mais de 1 anos. Quando plantadas logo que colhidas, germinam em 40 a 60 dias. As mudas atingem 30 cm com 9 a 10 meses de idade, mais apreciam ambiente sombreado para formação. A frutificação inicia-se com 4 a 5 anos, dependendo do solo e tratos culturais.

 

Plantando: Pode ser plantada a pleno sol ou em reflorestamentos mistos, pois produzem frutos comestíveis para a fauna em geral. No pomar planta-se num espaçamento de 5 x 5 ou 6 x 6 m, onde as covas devem ter 50 cm de largura, altura e profundidade, devendo ser preenchidas com 20% de areia e cerca de 8 kg de composto orgânico bem curtido; caso o solo seja muito acido é bom colocar 2 kg de calcário na cova e deixar curtir por 3 meses antes do plantio. Irrigar com 10 l de água por semana nos primeiros 2 meses.

 

Cultivando: Fazer apenas podas de formação da copa e eliminar os galhos que nascerem na base do tronco ou que se cruzarem para o interior da copa. Adubar com composto orgânico, pode ser 5 a 6 kg de cama de frango bem curtida e + 50 gr de N-P-K 10-10-10 dobrando essa quantia a cada ano até o 2ª ano e continuar adubando anualmente na primavera. Lembrar de distribuir o adubo na projeção da copa com distancia do tronco igual a medida da circunferência do mesmo.

 

Usos: Frutifica nos meses de Fevereiro a Maio. A árvore pode ser cultivada na arborização urbana ou de praças por ter pequeno porte, não podendo faltar na recomposição florestal, pois seus frutos alimentam pássaros e diversos animais terrestres como pacas, quatis, graxains, cutias, e antas. Os frutos são muito saborosos para o consumo in natura; e as sementes não solta facilmente da polpa que tem um rendimento de 40% em relação ao fruto. Os frutos também podem ser despolpados e a polpa congelada para uso futuro ou imediatamente para fazer mousses, sorvetes, usar na massa ou recheios de bolos e bolachas. Os frutos dessa espécie tem casca resistente ao manejo e por esse motivo é muito promissor para ser cultivado por agricultores familiares que podem comercializa-los em feiras livres.

 

Consulte-nos pelo e-mail hnjosue@ig.com.br ou veja nosso catalogo de mudas disponíveis clicando aqui. – acompanhe-nos no Facebook

 

Voltar para Frutas do mato ou Voltar para família das Annonaceae

 

 

.