ANNONA NEOSALICIFOLIA

FAMILIA DAS ANNONACEAE

 

Compre o Guia: Frutas do mato: um guia de identificação, cultivo e usos:

Fascículo 1: 34 espécies de anonáceas brasileiras.

 

 

image001

image003

FLORES DA VARIEDADE COM MAMILO QUADRILATERO

FRUTO DA VARIEDADE COM MAMILO QUADRILATERO

image005

image007

FLORES DA VARIEDADE FRUTO COM MAMILO BICUDO

FRUTO MADURO COM MAMILO BICUDO

 

NOMENCLATURA E SIGNIFICADO: ARATICU-UNA vem do tupi e significa: “fruto de massa mole” e o adjetivo “una” que quer dizer “preto” pelo fato de a casca amarela oxidar rapidamente e ficar preta (sem perder a qualidade da polpa). Também é chamado de Araticum de bico, Araticum amarelo, Cortiça, Quaresma da mata e Pinha da mata.

 

OBSERVAÇÕES: O antigo nome Rollinia salicifolia é valido apenas como sinonímia. Essa espécie pode ser confundida com Annona neolaurifolia, mais esta é diferente por ter folhas maiores e mais largas na base e por ter frutos maiores e com mamilos mais arredondados e não quadriláteros.

 

Origem: É natural das formações da floresta ombrofila mista e de formações secundárias da mata atlântica. A planta aparece em vários locais da região sudeste e sul do Brasil. Mais informações no link:  http://www.floradobrasil.jbrj.gov.br/

 

Características: Arvore de 6 a 8 metros de altura, com tronco pardo e com manchas esbranquiçadas, medindo de 30 a 40 cm de diâmetro. Os ramos novos são tem formação em zig zag. As folhas são simples, com pecíolo ou haste curta de cor amareladada medindo de 0,8 a 1,7 cm de comprimento. A lamina foliar mede de 5 a 12 cm de comprimento e 1,5 a 2,9 cm de largura, tem forma lanceolada, base cuneada (em forma de cunha) e ápice ou ponta acuminada ou afinada. A espécie é facilmente identificada por se observar as folhas glabras (sem pelos) e elípticas (estreitas desde a base até o ápice). As flores são de cor creme, axilares e tem forma de hélice, com 3 pétalas, cujos nectários localizados na base destes. Os frutos são sincárpios (união de vários segmentos, com ou sem sementes) com casca areolada ( com pontuações salientes) de cor amarela com manchas pretas e medem até 7 cm de comprimento por até 5 cm de largura. Existem variedades com mamilos ou protuberâncias pontudas ou quadriláteras conforme as fotos acima

 

Dicas para cultivo: Planta de clima subtropical, mais resiste bem a geadas de até – 3 grau, pode ser cultivada em todo o Brasil, em qualquer altitude; adapta-se bem aos solos arenosos ou argilosos e vermelhos que sejam profundos, de rápida drenagem, com pH de acido a neutro e com boa quantidade de matéria orgânica dissolvida.

 

Mudas: Sementes são de cor castanho acinzentada, meio triangulares no comprimento, que conservam o poder germinativo por até 2 anos se armazenadas limpas e secas em local escuro. Quando plantadas logo que colhidas, germinam em 40 a 75 dias. As mudas atingem 40 cm com 8 a 10 meses de idade, mais apreciam ambiente sombreado para formação. A frutificação inicia-se com 4 a 5 anos, dependendo do solo e tratos culturais.

 

Plantando: Pode ser plantada a pleno sol ou em reflorestamentos mistos pois produzem frutos comestíveis para a fauna em geral. No pomar planta-se num espaçamento de 5 x 5 ou 6 x 6 m, onde as covas devem ter 50 cm de largura, altura e profundidade, devendo ser preenchidas com 20% de areia e cerca de 8 kg de composto orgânico bem curtido; caso o solo seja muito acido é bom colocar 2 kg de calcário na cova e deixar curtir por 3 meses antes do plantio. Irrigar com 10 l de água por semana nos primeiros 2 meses.

 

Cultivando: Fazer apenas podas de formação da copa e eliminar os galhos que nascerem na base do tronco ou que se cruzarem para o interior da copa. Adubar com composto orgânico, pode ser 5 a 6 kg de cama de frango bem curtida e + 50 gr de N-P-K 10-10-10 dobrando essa quantia a cada ano até o 2ª ano e continuar adubando anualmente na primavera. Lembrar de distribuir o adubo na projeção da copa com distancia do tronco igual a medida da circunferência do mesmo.

 

Usos: Frutifica nos meses de fevereiro a março. A árvore pode ser cultivada em áreas verdes e na arborização urbana por ter pequeno porte; não podendo faltar na recomposição florestal, pois seus frutos alimentam diversas espécies de aves e pássaros e animais. Os frutos são muito saborosos para o consumo in natura e as sementes soltam com alguma dificuldade da polpa. Os frutos também podem ser despolpados e a polpa congelada para uso imediato para fazer geleias, mousses, sorvetes, gelatinas, sucos e bebidas espumantes como champanhe. Os frutos têm casca de media espessura e são resistentes ao manejo; além de se conservarem por cerca de 8 dias após colhidos em lugares frescos e por até 20 dias se em refrigeradores.

 

Consulte-nos pelo e-mail hnjosue@ig.com.br ou veja nosso catalogo de mudas disponíveis clicando aqui. – acompanhe-nos no Facebook

 

 

Voltar para Frutas do mato ou Voltar para Annonaceae

 

 

.