ARDISIA GUYANENSIS

FAMILIA DAS PRIMULACEAE – Antes Myrcinaceae

 

 

Caule com Frutas

FRUTOS E FOLHAS

 

 

 

NOME INDIGENA: GUAPURUNUCA do guarani “arbusto de folha que fica preta e frutos que tingem de preto” pelo fato suas folhas após destacadas da planta oxidarem e ficarem escuras rapidamente. Também é chamada de Azeitoninha e Pau-de-charco.

 

Origem: Espécie de vasta distribuição que ocorre desde o caribe e em toda América do sul até o estado de Santa Catarina no Brasil. Seu habitat são as matas úmidas e brejos ou áreas paludosas da Mata Atlântica e do cerrado e floresta semidecidual. Mais informações no link: http://www.floradobrasil.jbrj.gov.br  

 

OBSERVAÇÕES: Encontrada em nossas expedições nas nascentes de rios e brejos da floresta semidecidual no município de Campina do Monte Alegre – SP em 2.014. Na época a planta parecia ser uma espécie de canela, mais na ocasião não tinha frutos ou flores para identificar, mais como tinha varias mudas incluindo na beira da cerca (onde as aves sentam e defecam – plantando sementes), levei mudas e plantei no sitio Frutas Raras. Em 2.016 a planta começou a produzir lindos e saborosos frutos no caule.

 

Características: Arvoreta de 1 e mais raramente atingindo 3 m quando cultivada. Normalmente tem troncos de 1 a 2 ou mais caules finos de coloração marrom, com no máximo 4 cm de diâmetro na altura de 40 cm do solo. A lamina foliar é cartácea (textura de cartolina), oblongo-lanceolado (com forma mais longa que larga mais com ponta semelhante a lança), com base obtusa (arredondada) e margem dentada a serreada e ápice agudo, medindo 6 a 20 cm de comprimento por 3 a 7 cm de largura. A inflorescência pode ser axilar e pauciflora (nasce nos ramos desfolhados)são polígamas dioicas (a depender da época em que dão flores) em racemos (cachos)  corimbiformes (com forma de guarda-chuva) ou ramificado contendo de 4 a 12 flores contortas de coloração branca, com cálice com lobos (recortes) deltoides em (forma de delta) de 1 a 2 mm de comprimento, e as flores masculinas tem muitos pistilos (pequenos tubos) enquanto as flores femininas tem apenas um estigma (receptor de pólen) levemente tri-lobado (com 3 ondulações). Os frutos são drupas (com uma semente) oblongas (mais longa que larga), com 8 a 1,2 cm de comprimento de cor negra quando totalmente madura com 1 ou 2 sementes verrucosas.

 

Dicas para cultivo: Planta subtropical, resiste a solos bastante úmidos ou encharcados por breves períodos. Tem baixa resistência a geadas suportando com um pouco de requeima das folhas a mínimas de 0 grau, pode ser cultivada em todo o Brasil, em qualquer altitude; adapta-se a qualquer tipo de solo que retenha alguma umidade. Pode ser plantado a pleno sol ou na sombra de arvores grandes. Pode ser cultivada em terrários e em vasos grandes com 40 cm de diâmetro e 50 cm de altura contendo substrato arenoso e rico em matéria orgânica.

 

Mudas: As sementes são estreitas e duras e podem ser armazenadas por até 1 ano depois de despolpadas e secas na sombra. Germinam em 30 a 80 dias (dependendo da temperatura) se semeadas em substrato feito de 40% de terra, 30% de matéria orgânica bem curtida e 30% de areia branca de rio. As mudas atingem 30 cm com 7 a 8 meses após a germinação. Formar as mudas em ambiente sombreado. A frutificação inicia-se com 2 a 3 anos, dependendo do solo e tratos culturais.

 

Plantando: No pomar planta-se num espaçamento de 3 x 3 m sempre onde possa ser irrigado frequentemente ou em locais de nascente ou brejosos onde não precise irrigar. Após o plantio irrigar com 10 l de água por semana nos primeiros 2 meses. As covas devem ter 50 cm nas três dimensões e convém adicionar aos 30 cm da superfície 8 kg de matéria orgânica bem curtida, 500 g de cinzas, 200g de torta de mamona e 400 g de calcário, misturar tudo e deixar curtir por 2 meses. O plantio deve ser feito a partir de outubro. Uma dica para plantio em vasos: Tapar os furos do fundo do vaso e abrir novos furos à 10 cm do fundo para que o fundo do vaso fique bem molhado. Usar substrato feito de 40% de terra vermelha, 40% de matéria orgânica bem curtida e 20% de areia de rio.

 

Cultivando: Fazer apenas podas de formação deixando formar 2 ou 3 caules, depois eliminar ramos que nascerem na base do tronco ou aqueles que ficarem cruzados e voltados para o centro da copa. Adubar com composto orgânico, pode ser 4 kg de matéria orgânica bem curtida + 20 gr de N-P-K 10-10-10 dobrando essa quantia no 2ª ano, e depois permanecer com o mesmo volume de adubação consecutivamente.

 

Usos: Frutifica em julho a novembro. A planta é muito ornamental devido às folhas grandes, floração e frutos no caule. Os frutos são tem sabor forte que lembra um pouco de ameixa seca com açaí e podem ser consumidos in natura ou batidos no liquidificador e as sementes coadas para fazer suco. Diversas espécies de pássaros são atraídas por esse precioso fruto que amadurece no fim do inverno dando muita energia para as aves.

 

Consulte-nos pelo e-mail hnjosue@ig.com.br ou veja nosso catalogo de mudas disponíveis clicando aqui.  acompanhe-nos no Facebook

 

 

Voltar para Frutas do mato ou Voltar para Família das Primuláceas

 

 

 

.