CHIONANTHUS TRICHOTOMUS

FAMILIA DAS OLEACEAS

 

FLORES

FRUTO VERDE

 

NOME INDIGENA: Pitaguará vem do tupi guarani. A Etimologia e significado ainda não foi encontrado. Também é chamada popularmente de Azeitona azul silveste e Arvore da neve do Brasil.

 

Origem: Arvore rara que ocorre na borda de ribeirões da floresta semidecidua (que perde as folhas no inverno) presentes na região sudeste e sul (Até o Paraná) no Brasil. Mais informações no link: http://reflora.jbrj.gov.br

 

Características: Arvore de 3 a 6 metros de altura com um ou vários troncos elípticos (retos) de 10 a 20 cm de diâmetro, com casca marrom escura e um pouco suberosa. A folha é oposta, oblonga (mais longa que larga), cartácea (textura de cartolina) e medem 5 a 14 cm de comprimento por 2,5 a 4,5 cm de largura. A base é cuneada (tem forma de cunha) e o ápice é apiculado (com ponta curta). Pode ser facilmente identificada por se observar tricomas (pelos em forma de T) na nervura mediana e tufos de pelos na axila das nervuras. As flores nascem em cachos cimosos (bifurcados) nas axilas das flores. A flor é branca com 5 pétalas de 2 a 3 cm de comprimento e caniculadas (como calha). O Fruto é uma drupa (com uma semente) oblonga (mais longa que larga) de cor azulada quando madura, medindo de 1,4 a 2,1 cm de comprimento.

 

Dicas para cultivo: Arvore de crescimento rápido que é resiste a geadas inferiores a - 3 grau, que vegeta bem em qualquer altitude. Aprecia solos bastante úmidos pois na natureza aparece sempre nas proximidades de ribeirões. O solo pode ser profundo, com pH neutro, de constituição arenosa ou argilosa (solo vermelho), mas deve ter boa fertilidade natural. A arvore inicia a frutificação a partir do 4 ou 5 ano após o plantio.

 

Mudas: As sementes são oblongas com 6 a 9 mm de comprimento e são recalcitrantes (perde o poder germinativo rapidamente). Por isso devem ser plantadas logo que despolpadas diretamente em sacos individuais com substrato feito de 30% de argila, 40% de terra vermelha e 30% de matéria orgânica bem curtida. Germinam em 30 a 60 dias e as mudas atingem 35 cm com 7 a 10 meses no viveiro.

 

Plantando: Pode ser plantada a pleno sol como em bosques com arvores grandes bem espaçadas. Se dá muito bem em beiras de rios onde ocorre inundações periódicas. O espaçamento entre as covas é de 6 x 6; e suas dimensões devem ter 40 ou 50 cm de largura, altura e profundidade, misturando a terra solta 500g de calcário e 1 kg de cinzas e 8 kg de matéria orgânica bem curtida, deixando curtir por 2 meses. A melhor época de plantio é de novembro a dezembro. Depois de plantada, irrigar a cada 10 dias nos primeiros 3 meses, depois somente se faltar água na época da florada.

 

Cultivando: Fazer apenas podas de formação da copa e eliminar os galhos que nascerem na base do tronco e os ramos voltados para dentro da copa. Adubar com composto orgânico pode ser 6 kg de matéria orgânica bem curtida + 30 g de N-P-K 10-10-10 dobrando essa quantia a cada ano até o 4ª ano.

 

Usos: Frutifica de setembro a novembro. Os frutos podem ser consumidos in natura quando estiverem com coloração azul celeste. Ainda não saboreei o fruto mais os pássaros comem avidamente porque com certeza são muito bons. Arvore rara muito ornamental quando em flor. Deve ser cultivada, pois corre o perigo de extinção.

 

Consulte-nos pelo e-mail hnjosue@ig.com.br ou veja nosso catalogo de mudas disponíveis clicando aqui.  acompanhe-nos no Facebook

 

Voltar para Frutas do mato ou Voltar para família Oleaceae

 

.