DUGUETIA FUFURACEA

FAMILIA DAS ANNONACEAE

 

Compre o Guia: Frutas do mato: um guia de identificação, cultivo e usos:

Fascículo 1: 34 espécies de anonáceas brasileiras.

 

Flor

Fruto amadurescendo

 

NOMENCLATURA E SIGNIFICADO: PINDAUVARANA vem do tupi-guarani e significa “arvore dos caniços ou varas” em essa espécie forma moitas grandes com diversas brotações a partir da base E o adjetivo RANA quer dizer semelhante a Pindauva. Também é chamada de Ata brava, Pinha de Guará, Tem-dor-de-rim-quem-quer e Pindauva de moita. 

 

Origem: é nativa de todo o Brasil, ocorre principalmente o Cerrado e Campos, aparecendo também nas bordas de matas de terrenos autos do Pantanal e no Chaco do Paraguai e Bolívia. Mais informações no link: http://www.floradobrasil.jbrj.gov.br/

 

Características: é um arbusto que mede até 1,5 metros de altura, com muitos galhos que brotam desde a base e esparramam pelo chão. As folhas são simples verde-amareladas quando jovens, com densa pilosdidade (coberta de pelos longos), tornando-se verdes amareladas quando adultas, com nervura central com cor de ferrugem, estas medem de 3 cm a 4 cm de largura por 5 cm a 12 cm de comprimento com base cuneada (em forma de cunha) e ápice ou ponta arredonda. A lamina foliar tem textura cartácea (como papel cartolina). Tem uma fácil característica de identificação, que é a presença de verrugas amareladas ou galhas nas folhas. As flores são hermafroditas e axilares (nascem na junção duma folha com o galho), são hemiciclicas, ou seja, os segmentos ou pétalas se prendem num mesmo nó ou estão distribuídas em espiral. O cálice (invólucro externo) é solto com 3 sépalas livres, tomentosas (coberta de lanugem) e a corola (invólucro interno) tem 6 pétalas carnosas, oblongas (mais longa que larga) e avermelhadas.

 

Dicas para cultivo: planta subtropical, muito resiste secas e a geadas de até – 3 grau, pode ser cultivada em todo o Brasil, em qualquer altitude; adapta-se a solos vermelhos de drenagem rápida ou arenosos com baixo teor de matéria orgânica. Tem crescimento lento e começa a frutificar com 3 a 5 anos após o plantio, dependendo do clima e tratos culturais.

 

Mudas: Sementes são dormentes se forem secas, quando plantada logo, germinam progressivamente em 40 a 200 dias. As mudas crescem lentamente nos primeiros 6 meses após a germinação e preferem ambiente sombreado para formação. Visto que a planta não tolera transplante, recomendo semear diretamente em saquinhos com substrato feiro de 40% de terra vermelha, 40% de areia saibro e 20% de matéria orgânica bem curtida. A muda atinge 25 cm com 12 meses de idade e deve ser colocada em pleno sol.

 

Plantando: Pode ser plantada a pleno sol num espaçamento 3 x 3 m em covas que devem ter 50 cm de largura, profundidade e altura. Deve-se misturar com os 30 cm de solo fértil iniciais, uma lata de 18 l de areia saibro + 4 kg de esterco bem curtido, 200 g de calcário e 1 kg de cinza de madeira. Deixar curtir por 2 meses e fazer o plantio entre outubro a dezembro. Depois é só irrigar 10 l de água após o plantio e uma vez por mês se não chover. Para plantar no vaso (de 50 cm de altura por 40 cm de largura) deve ser usado terra vermelha e a mesma mistura indicada acima, tomando o cuidado apenas de colocar uns 4 cm de pedra no fundo do vaso para ocorrer uma drenagem rápida.

 

Cultivando: A planta cresce lentamente e não necessita de cuidados especiais, apenas deve-se fazer capinas periódicas para que o mato não sufoque a planta. Fazer podas de formação e eliminar os ramos que nascerem cruzados para dentro da touceira. Adubar com composto orgânico, pode ser 1,5 kg cama de frango bem curtida + 20 gr de N-P-K 10-10-10 distribuídos em círculos à 5 cm de profundidade e distanciados 10 cm do caule.

 

Usos: Frutifica nos meses de agosto a novembro. os frutos tem arilo alaranjado com gosto de bolo de cenoura é de sabor delicado e ótimo para o consumidos in natura. A planta pode ser cultivada na arborização urbana, em canteiros centrais de jardins ou avenidas, não podendo faltar na recomposição da vegetação nativa, pois seus frutos alimentam diversos animais como o lobo guará, o furão, o maracambé, o cachorro vinagre dentre outros. Os frutos tem polpa doce e de sabor forte e a polpa solta fácil da semente, por isso é ideal para o consumo in natura. Os frutos também podem ser despolpados e a polpa congelada para uso futuro  para fabricação de mousses, sorvetes, bolachas, e biscoitos. Os frutos dessa espécie tem casca grossa e resistente ao manejo, podendo durar até 15 dias na sombra ao ar livre, característica ideal para a comercialização dos frutos por pequenos agricultores familiares.

 

Consulte-nos pelo e-mail hnjosue@ig.com.br ou veja nosso catalogo de mudas disponíveis clicando aqui. – acompanhe-nos no Facebook

 

 

SAIBA MAIS SOBRE A NOMENCLATURA, ORIGEM, HISTÓRIA, DESCRIÇÃO DA PLANTA, PRATICAS CULTURAIS, PROPRIEDADES MEDICINAIS E NUTRICIONAIS

COMPRANDO O LIVRO “COLECIONANDO FRUTAS”

 

 

Voltar para Frutas do mato ou Voltar para família das Annonaceae