EPEDRA TWEEDIANA

FAMÍLIA DAS EPHEDRACEAE

 

Planta

Flor e fruto

 

Frutos e sementes

 

NOMENCLATURA: MORANGUINHO DE CIPÓ - O nome indígena não foi descoberto. Também recebe os nomes: cipó macarrão ou trepadeira macarrão.

 

Origem: Espécie rara, nativa dos pampas gaúchos e formações florestais deciduais, onde aparece ocasionalmente. A espécie ocorre também na Argentina e Paraguai. No Brasil ocorre apenas no estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Mais informações no link: http://www.floradobrasil.jbrj.gov.br/

  

Características: Trepadeira semi-lenhosa, perene, escandente ou seja que cresce escalando e se apoiando sobre outras plantas. O caule é lenhoso e cilíndrico, com casca de coloração cinzenta quando mais velho. A medida que cresce a planta formo touceira com vários caules. Os ramos e brotações novas são cilíndricas e de cor verde escura tendo nós a cada 6 a 10 ou mais raramente à 15 cm de distancia. Nos nós surgem os pseudofrutos em vez de flores, os quais são formadas de brácteas (tipo de folha modificada) suculentas verdes no inicio, passando para rosa avermelhada quando totalmente maduros, tendo no interior 2  a 3 sementes negras aplainadas conforme a foto acima. Os frutinhos tem a parte rosa avermelhada comestível de sabor adocicado e que lembra um pouco o gosto do morango.  

 

Dicas para cultivo: Trepadeira de crescimento rápido que resiste a temperaturas de até - 4 grau, apreciando locais semi sombreados ou ensolarados. Pode ser cultivada desde o nível do mar até 1.000 m acima do nível do mar. Aprecia solos profundos, que conservam bem a umidade, com pH entre 4,8 a 6,6, com constituição arenosa ou argilosa (solo vermelho). Basta cultivar 1 só planta para se ter um belo efeito visual e boa produção de frutos. É preciso fazer uma parreira usando 2 palanques de concreto com 2 metros e 40 cm de comprimento, do qual se fixa no chão numa altura de 50 a 60 cm. Na ponta de cada um, deve ter 1 ou 2 parafusos já embutidos no ato da fabricação, com ponta de 12 cm para fixação de um caibro para se passar arames a cada 20 cm de distancia os quais servirão de suporte para a planta crescer. A planta inicia a frutificação no 3ª ou 4ª ano após o plantio.

 

Mudas: As sementes são pretas e achatadas, e conservam o poder germinativo por até 1 ano se estiverem limpas, secas e armazenadas em frascos escuros e em local sombreado. A germinação de sementes frescas ocorre em 30 a 45 dias em substrato feito com 50% de húmus de minhoca e 50% de areia branca. As mudas de sementes atingem 50 a 60 cm com 8 a 10 meses de viveiro. Essa espécie pode ser multiplicada por estacas maduras com pelo menos 4 mm de espessura enterrando pelo menos 1 nó a 5 cm de profundidade no mesmo substrato acima. As plantas propagadas vegetativamente precisam ficar 1 ano no viveiro antes de serem plantadas no local definitivo.

 

Plantando: Pode ser plantada na sombra no meio de arvores grandes bem espaçadas, ou ainda em pleno sol, mas neste caso só é necessário irrigar sempre que o solo estiver seco. Plantar em covas feitas com 50 cm de largura, altura e profundidade preparadas com cerca de 40 a 50% de esterco e folhas apodrecidas. Espaçamento entre plantas ou palanques 3 x 3 m. Conduzir a planta até a estrutura de arames na ponta do palanque, amarrando-a num tutor, depois é só deixar  os ramos crescer e pender por todo o redor. No preparo da cova adicione a terra cerca de 300g de calcário e1 kg de cinzas de madeira, deixando curtir por pelo menos 1 ou 2 meses antes do plantio. Após plantada. irrigue a cada dez dias nos primeiros 3 meses se faltar chuvas. Mantenha a coroa  em volta da planta coberta com capim seco ou qualquer outro material orgânico para conservar a umidade e a temperatura fresca.

 

Cultivando: Fazer apenas podas de formação e eliminar os brotos que nascerem na base do caule, manejando os ramos num tutor e continuar amarrando os ramos até que suba na estrutura da parreira. Adubar com composto orgânico, pode ser 2 pás de matéria orgânica bem curtida + 20 gr de N-P-K 10-10-10 nos meses de setembro a outubro, distribuindo a 10 cm do caule no seu entorno. Pode ser cultivada com sucesso em vasos de porte médio. Essa espécie é bem resistente a pragas e doenças.

 

Usos: Frutifica entre os meses de outubro a dezembro. A planta pode ser cultivada como ornamental em jardins ou terrários em vasos. Os frutos são consumidos in natura pois tem sabor agradável de moranguinho. Os frutos também atraem diversas espécies de pássaros.

 

 Consulte-nos pelo e-mail hnjosue@ig.com.br ou veja nosso catalogo de mudas disponíveis clicando aqui. – acompanhe-nos no Facebook 

 

 

Voltar para Frutas do Mato ou Voltar para Ephedraceae