MYRCIA HARTWEGIANA

FAMILIA DAS MYRTÁCEAS

 

image001

image002

FLORES

FRUTOS

 

NOMENCLATURA E SIGNIFICADO: CAMBUÍ-MU vem do tupi guarani e significa “Galho fino do campo”. Também recebe o nome de Cambuí do cerrado, Cambuí jambo e Guamirim da pedra. Observações: essa espécie estaca erroneamente identificada como MYRCIA PUBILFORA mais recentemente com mais estudos realizados descobrimos que a identificação exata é Myrcia hartwegiana antes tinha o nome de Gomidesia sellowiana.

 

ORIGEM: Planta rara e encontrada nos cerrados arenosos em nossas expedições em maio de 2,009 (frutos secos, mais que estavam com sementes boas das quais formaram 2 mudas que estão frutificando agora em 2.014 no Sitio Frutas Raras). Na natureza aparece nos campos rupestres e serrados nos estados de Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, Brasil. Mais informações no link:

http://www.floradobrasil.jbrj.gov.br

 

CARACTERISTICAS: Arbustos com 1 a 3 m de altura, comumente formando tocheiras de 1 a 2 m de diâmetro com copa densamente ramificada. O tronco é curto, cilíndrico, pouco descamante, de cor castanho amarelado. Os ramos novos são cobertos de indumento (pelinhos) com exceção da gema apical. As folhas são opostas, concolores (verdes em cima e opacas em baixo), coriáceas (rija como couro) sob pecíolo (haste ou suporte) canaliculado (como calha), medindo 4–6 mm comprimento. A lâmina foliar é obovada (forma de ovo envertido), medindo 1 a 5 cm por 1 a3 cm de largura, com base atenuada a cuneada (como cunha) e ápice obtuso, margem levemente revoluta, (enrolada para baixo), tendo ambas as faces glabrescentes e com pontuações nigrescentes. As flores nascem em panículas paucifloras, axilares ou subterminais, com flores dispostas na lateral da inflorescência; os botões florais medem 1,5 a 3 mm, são obovados e pilosos; com brácteas e bractéolas (tipo de folha de proteção) caducas. As pétalas são brancas; e o cálice é aberto no botão, com sépalas menores que 1 mm comprimento. Os frutos são bagas arredondadas de cor vermelha na maturação, glabras (sem pelos) ou pilosas, medindo 8 mm a 1,4 cm de diâmetro, com casca muito fina envolvendo polpa gelatinosa e no centro existem 1 ou 2 sementes esverdeadas de 3 a 4 mm de diâmetro.

 

Dicas para cultivo: É planta de crescimento moderado, porém é muito rústica e resistente a geadas inferiores a – 3 a - 5 graus, podendo ser cultivada em qualquer altitude. O solo pode ser profundo, de drenagem rápida, acido com pH entre 4,0 a 5,6, com constituição arenosa ou argilosa (solo vermelho) e até pedregoso. São muito resistentes a secas longas e começam a frutificar com 3 a 4 anos após o plantio. Pode ser cultivada em vasos de 50 cm de altura e no mínimo 30 cm de largura usando substrato de terra vermelha (30%), areia (40%) e matéria orgânica (30%), colocar 5 cm de pedra no fundo do vaso para que haja rápida drenagem.

 

Mudas: As sementes são pequenas, de cor esverdeada, são recalcitrantes (perdem o poder germinativo rapidamente). Recomendo que sejam plantadas logo após a remoção da polpa, colocando 2 sementes diretamente em embalagem individual contendo substrato feito de 40% de terra vermelha, 30% de areia branca de rio e 30% de composto orgânico bem curtido. Cobrir as sementes com 1 cm de substrato, deixar em local com 40% de sombreamento e irrigar dia sim dia não. O índice de germinação é em torno de 90% e inicia-se com 25 a 45 dias. As mudas crescem lentamente, atingindo 20 cm com 7 a 8 meses após o plantio.

 

Plantando: Deve ser plantada em pleno sol, em lugares livres de encharcamento na época de chuvas. O espaçamento médio indicado é de 4 x 4 m em solos férteis, ou de 2 x 2 m para terrenos virgens e arenosos dos cerrados. As covas devem ter 50 cm de altura, largura e profundidade e ser preenchidas com 1 kg de cinzas e 5 a 6 pás de matéria orgânica (a maior parte de capim ou folhas apodrecidas) e 20 g de N-P-K 10-10-10. Se o solo não for arenoso, acrescente 3 pás de areia saibro na cova. Depois de prontas devem ficar curtindo por 2 meses antes do plantio definitivo que deve ser feito a partir de novembro. Irrigar a cada quinze dias nos primeiros 3 meses, depois somente se faltar água na época da florada. Pode ser cultivada com sucesso em vasos grandes.

 

Cultivando: A planta cresce lentamente e não necessita de cuidados especiais, apenas deve-se cobrir a superfície com maravalha de madeira e eliminar qualquer erva daninha que possa sufocar a planta. Adubar a partir do terceiro ano após o plantio com composto orgânico feito de folhas apodrecidas + 1 pá de esterco de galinha curtido e 30 g de N-P-K 10-10-10. Distribuir os nutrientes à 5 cm superficialmente a 20 cm do caule de preferência no mês de outubro quando a planta inicia nova brotação.

 

Usos: Frutifica de Janeiro a Março. Os frutos tem sabor que lembra uma mistura de grumixama e o jambo juntos e podem consumidos in-natura. Os frutos de plantas cultivadas melhoram no tamanho, quantidade e qualidade da polpa. A polpa tem grande potencial para ser utilizada para fazer geléias, sorvetes e sucos. A planta é muito ornamental quando em flor e as mesmas tem grande potencial apícola. Os frutos atraem inúmeras espécies de pássaros. É uma planta que corre o perigo de se acabar, por isso precisa ser preservada e cultivada pelos amantes das frutas.

 

Consulte-nos pelo e-mail hnjosue@ig.com.br ou veja nosso catalogo de mudas disponíveis clicando aqui. – acompanhe-nos no Facebook

 

 

Voltar para Frutas do mato  ou  Voltar para família das Myrtaceas

 

.