PASSIFLORA AMETHYSTINA

FAMÍLIA DAS PASSIFLORACEAE

 

Planta na natureza

Flor

Frutos e folhas

Fruto, polpa e semente

 

NOMENCLATURA: Maracujá vem do Tupi-guarani e significa “comida na cuia” por causa do formado do fruto. Também recebe os nomes: Maracujá de esquilo, maracujá pepino ou maracujá comprido.

 

Origem: Essa é a espécie mais comum e ocorrem em quase todos os ambientes florestais brasileiros, aparecendo principalmente em bordas de matas. Capoeiras, clareiras no meio da mata e na borda de matas nas margens de pequenos rios. Pode ser encontrada nos estados: Bahia, Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul . Mais informações no link: http://www.floradobrasil.jbrj.gov.br/

  

Características: Trepadeira herbácea, de médio porte e de ciclo tri-anual (dura 3 ou mais raramente 4 anos), glabra (sem pelos), com exceção do ovário, com caule estriado, cilíndrico e nos nós há estípulas foliáceas, com forma ovalado-lanceoladas ou oblongas, tendo base arredondada e ápice agudo e mucronulado, margem inteira, com0,8-3,7 x 0,4-2,5 cm. Pecíolo caniculado na parte superior, geralmente com 2-6 cm, com três a oito glândulas. As folhas são trilobadas, cordadas ou subpeltadas na base, membranáceas com 4-12 cm na nervura central, 3-10 cm nas nervuras laterais e 5-18 cm entre os ápices

dos lóbulos laterais. As flores são axilares, solitárias, com 6-10 cm de diâmetro. Tubo do cálice curto-campanulado, sépalas oblongas ou oblongo-lanceoladas, externamente verdes e internamente verde-lilases, subcoriáceas, com 2,5-4 x 0,5-1 cm, apresentando uma carena dorsal que

termina numa arista com 5-15 mm de comprimento. Pétalas oblongas, violáceas, um pouco mais longas que as sépalas, membranáceas, com 2,7-4,3 x 0,5-0,9 cm. Corona em quatro ou raramente cinco séries filamentosas: as duas séries externas com filamentos liguliformes púrpura--avermelhados no terço inferior. Os frutos são elipsoide ou alongados, de cor verde a azulado, ficando verde amarelado quando maduro, com 5-8 x 2-2,5 cm. O arilo que envolve as sementes é alaranjado e doce e as sementes são ovaladas, foveoladas (com superfície coberta de depressões), medindo 3-5 x 2,5-3,5 mm.

 

Dicas para cultivo: Trepadeira de crescimento rápido que resiste a temperaturas de até 0 grau, vegeta bem em altitudes variando de 400 a 1.000 m acima do nível do mar. O solo deve ser profundo, úmido, com pH entre 4,8 a 6,6, com constituição arenosa ou argilosa (solo vermelho). É preciso plantas no mínimo 2 plantas para haver polinização cruzada e uma melhor frutificação. É preciso fazer uma parreira usando um palanque de concreto com 2 metros e 40 cm de comprimento, do qual se fixa no chão numa altura de 50 a 60 cm. Na ponta desse deve ter 1 ou 2 parafusos já embutidos no ato da fabricação, com corpo de 12 cm para fixação de um caibro para de fazer uma estrutura quadrada de 1,20 por 1,20 para servir de suporte com arames para a planta se fixar e deixar os  ramos pender como uma toalha de mesa em todo o redor. Essa espécie aprecia local com sombreamento em torno de 40 a 50% para uma boa frutificação. As planta inicia a frutificação no 1ª ano após o plantio.

 

Mudas: As sementes são achatadas, e podem ser armazenadas na geladeira por mais de 1 ano. A germinação de sementes frescas ocorre em 20 a 35 dias em qualquer tipo de substrato rico em matéria orgânica, poroso, deixado em ambiente bem iluminado. As mudas crescem rápido e em 4 meses já estão com 50 a 80 cm e já podem ir para o lugar definitivo. No viveiro deve-se tomar o cuidado com lagartas de borboletas que comem completamente as plantas. É melhor planta-las no inicio da primavera logo que começar a chover.

 

Plantando: Pode ser plantada na sombra ou em bosques com arvores grandes bem espaçadas, ou ainda em pleno sol – neste caso só é necessário irrigar sempre que o solo estiver seco. Plantar em covas feitas com 40 cm de largura, altura e profundidade preparadas com cerca de 40 a 50% de esterco e folhas apodrecidas. Espaçamento entre plantas ou palanques 3 x3 m. Conduzir a planta até a mesa de arames na ponta do palanque, amarrando-a num tutor, depois é só deixar  os ramos crescer e pender por todo o redor. Para uma ótima frutificação é importante fazer a poda do ponteiro de crescimento a altura de 10 cm na época em que os botões estiverem com tamanho médio (com 1 a 2 cm de comprimento). No preparo da cova adicione a terra cerca de 300g de calcário e1 kg de cinzas de madeira, deixando curtir por pelo menos 1 mês antes do plantio. Após plantada. irrigue a cada dez dias nos primeiros 3 meses se faltar chuvas. Mantenha a coroa  em volta da planta coberta com capim seco ou qualquer outro material orgânico para conservar a umidade e a temperatura fresca.

 

Cultivando: Fazer apenas podas de formação e eliminar os brotos que nascerem na base do caule, manejando os ramos num tutor e continuar amarrando os ramos até que suba na estrutura da parreira. Adubar com composto orgânico, pode ser 2 pás de cama de frango bem curtida + 20 gr de N-P-K 10-10-10 nos meses de setembro a outubro, distribuindo a 10 cm do caule no seu entorno. Pode ser cultivada com sucesso em vasos de porte médio. Essa espécie é bem resistente a pragas e doenças.

 

Usos: Frutifica entre os meses de Março a Agosto. A planta pode ser cultivada como ornamental por suas flores magnificas e para atrair beija-flores e borboletas. Os frutos são consumidos in natura, quando verdes podem ser refogados ou picados em saladas e quando maduros a polpa pode ser consumida com semente ou utilizada para fazer sucos. Diversas espécies de pássaros consomem o fruto e o esquilo ou catinguelé aprecia muito essa espécie de maracujá.

 

 Consulte-nos pelo e-mail hnjosue@ig.com.br ou veja nosso catalogo de mudas disponíveis clicando aqui. – acompanhe-nos no Facebook 

 

 

Voltar para Frutas do Mato ou Voltar para Passifloraceae