PRADOSIA LACTESCENS

FAMILIA DAS SAPOTÁCEAS

 

AGRADECEMOS SUA VISITA E DESEJAMOS QUE AS INFORMAÇÕES LHE SEJAM ÚTEIS PARA AJUDAR A PRESEVAR NOSSA FLORA E MELHORAR A QUALIDADE DE VIDA. MAS GOSTARIA DE LEMBRAR QUE MUITO TRABALHO, PESQUISAS E CUSTOS ESTÃO ENVOLVIDOS PARA PODER DISPONIBILIZAR INFORMAÇÕES GRATUITAMENTE. DESSA FORMA APRECIAREMOS SUA COLABORAÇÃO EM ADQUIRIR OS GUIAS FRUTAS DO MATO PARA AJUDAR A MANTER O PROJETO, OU TAMBÉM ACEITAMOS DOAÇÕES QUE PODERÁ NOS ESCREVER SOBRE NO E-MAIL QUE ESTÁ NO FINAL DESSA PAGINA.  

 

 

 

OS FRUTOS MADUROS DÃO GRUDADOS NO TRONCO

Frutos maduros e sementes

 

 

NOMENCLATURA E SIGNIFICADO: BURANHÉM ou GUARANHÉM vem do tupi guarani e significa “Arvore da entrecasca doce”. Também recebe o nome de Marmixa, Mama-de-porca de fruta, Ibaraem, Ivuranhê, Casca doce, Pau doce e Pau de remo.

 

Origem: Exclusiva da Mata Atlântica, principalmente da floresta de restinga, aparecendo isoladamente, desde o estado de Pernambuco até o Paraná, Brasil. Mais informações no link:  http://servicos.jbrj.gov.br/flora/search/Pradosia_lactescens

 

Características: Arvore de 7 a 15 metros ou mais no meio da mata, com copa umbeliforme (como guarda chuva) e densa. O troco geralmente é cilíndrico, retilíneo (direito), medindo 20 a 30 cm de diâmetro; com casca fina de cor acinzentada, da qual se exsuda (escorre) muito látex quando ferida; o tronco tem nódulos formados por causa da floração aglomerada no caule e galhos mais grossos. Os ramos novos são esparsamente pubérulos (coberto de pó), tornando-se glabros (sem pelos) na maturidade. As folhas são inteiras, alternas, espiraladas, reunidas no ápice dos ramos e com nervuras bem evidentes na face dorsal. A lamina tem textura cartácea (de cartolina), é oblonga (mais longa que larga), oblanceolada (com forma de espada invertida, com a parte mais larga voltada para o ápice), medindo 7 a 20 cm de comprimento por 2,4 a 6 cm de largura, com base afunilada e ápice arredondado. O pecíolo (haste ou suporte) é leitoso, caniculado (como calha) e mede 0,7 a 1,3 cm de comprimento. As flores surgem no tronco e nos galhos maduros e são sésseis (sem cabinho), agrupadas em feixes nodosos (parecendo um inchaço).As flores são avermelhadas com 4 a 5 pétalas acuminadas (com ponta longa). Os frutos são bagas oblongas (mais longa que largs), medindo 2 a 3 cm de diâmetro com casca amarela escura com polpa firme e bem doce envolvendo 1 semente de 1,5 a 2,3 cm de comprimento.

 

Dicas para cultivo: Planta de crescimento lento na faze juvenil (1ª e 2ª ano) que aprecia qualquer tipo de solos com boa fertilidade natural, que sejam profundos, úmidos e com rápida drenagem da água das chuvas. Pode ser cultivada em todo o Brasil, em qualquer altitude; adaptando-se melhor a climas subtropicais úmidos e chuvosos do litoral, onde raramente ocorrem geadas. No Sitio Frutas Raras as plantas cultivadas sentiram bastante uma geada severa de -3 graus, mais após isso, rebrotaram e se adaptaram tornando-se resistentes a geadas de 0 grau. A planta frutifica abundantemente em pleno sol, mais não deve faltar água na época da florada e granagem dos frutos. Começa a frutificar com 9 a 11 anos a depender do clima e tratos culturais. Também pode ser cultivada em ambiente sombreado onde frutifica menos.

 

Mudas: As sementes são oblongas (mais longa que larga) com casca marrom e lisa e com cicatriz no seu comprimento. São recalcitrantes (perdem o poder germinativo se forem secadas), por isso devem ser plantadas logo que despolpadas, colocando 1 semente por embalagem individual contendo substrato de 50% de terra vermelha, 30% de matéria orgânica e 20% de areia. A germinação se inicia com 40 a 60 e tem percentual de 80% para sementes frescas. As mudas devem ser formadas na sombra e atingem 30 cm com 10 a 12 meses de vida.

 

Plantando: Recomendo que seja plantada a pleno sol num espaçamento 6 x 6 (em climas subtropicais) ou 8 x 8 m (em climas tropicais) em covas abertas com no mínimo 2 meses antes do plantio, estas devem ter 50 cm nas 3 dimensões e convém misturar 2 pás de areia de rio + 6 pás de matéria orgânica aos 30 cm de terra da superfície da cova; misturando junto + 500 g de calcário e 1 kg de cinzas de madeira. A melhor época de plantio é outubro a novembro, convém irrigar 10 l de água após o plantio e a cada 15 dias se não chover, tomando esse cuidado no primeiro ano após o plantio.

 

Cultivando: A planta cresce lentamente e não necessita de cuidados especiais, apenas deve-se cobrir a superfície com capim cortado e eliminar qualquer erva daninha que possa sufocar a planta. Onde ocorrem geadas, é importante cobrir para proteger a planta até o terceiro ano após o plantio. Devem-se fazer podas no fim do inverno para fazer a formação da planta eliminando ramos e brotos da base e todo o excesso de ramos que nascerem voltados para o interior da copa. Adubar com 3 pás de composto orgânico feito de esterco de galinha curtido e 30 gramas de NPK 10-10-10, dobrando a quantidade a cada ano até o quinto ano. Distribuir os nutrientes à 5 cm superficialmente a 20 cm do caule no inicio do mês de outubro.

 

Usos: Frutifica nos meses de setembro a fevereiro. Os frutos são deliciosos para o consumo in natura apesar de ter pouca polpa. A casca e parede ou carne do fruto podem ser utilizadas para fazer doces em compota (do tipo pêssego) ou triturados após cozimento podem virar um doce pastoso semelhante a goiabada. A árvore não deve faltar em projetos de reflorestamentos, pois seus frutos alimentam diversas espécies de animais. É uma espécie rara que corre o perigo de extinção. Também pode ser cultivada como ornamental pela linda floração e frutificação caulinar.

 

Consulte-nos pelo e-mail hnjosue@ig.com.br ou veja nosso catalogo de mudas disponíveis clicando aqui.  acompanhe-nos no Facebook

 

Voltar para Frutas do Mato ou Voltar para família das Sapotáceas

 

.