PSIDIUM APPENDICULATUM

FAMÍLIA DAS MYRTACEAS

 

Flores (Foto: Rogério Murilo Alberto)

Frutos verdes (Rogério Murilo Alberto)

 

NOMENCLARUTA E SIGNIFICADO: ARAÇÁ DE FOLHA LONGA vem das palavras do tupi Guarani: ARÁ-Fruta + eçá - olhos, referindo-se as sépalas persistentes que parecem formarem cílios. Também recebe os nomes: Araçá piloso, Araçá da caatinga ou Araçá do Rio São Francisco.

 

ORIGEM: Espécie endêmica da Caatinga do norte de Minas, parte da Bahia e de alguns estados do nordeste, onde ocorre sempre na beira de riachos ou onde o solo é mais úmido. É uma espécie muito rara que pode ser encontrada nas margens preservadas do Rio São Francisco no Brasil. Mais informações no link: http://www.floradobrasil.jbrj.gov.br/

 

OBSERVAÇÕES: estamos cultivando essa rara espécie graças ao amigo Rogério Murilo que tem essa espécie cultivada e colaborou com o projeto, também cedendo gentilmente as fotos.

  

Características: Arvore perenifólia, mediana que atinge 2 a 5 m de altura, com tronco curto, único ou bifurcado a media altura, com casca escamosa de cor castanho escura que se descama em tiras. A copa é alongada e de médio porte. As folhas são simples, opostas, cartáceas (como cartolina) e oblongas (mais longa que larga), medindo 7 a 15 cm de comprimento por 2 a 3,5 cm de largura. A base é cuneada (com forma de cunha) e o ápice é acuminado (com ponta longa). A espécie é facilmente identificada por se observar as nervuras da lamina foliar que é nitidamente reticulada (como rede) e com pubescência no dorso. A flor aberta é branca, fragrante e mede 2,cm de diâmetro, sendo formada por cálice (invólucro externo) com 4 a 5 lobos ou recortes arredondados com 3 a 4 mm de comprimento. A corola é formada por 5 pétalas brancas de 6 a 8 mm de comprimento. Os frutos são bagas levemente piriformes com 2 a 3 cm de diâmetro com casca amarronzada quando madura e densamente pilosa (pelos longos e brancos), tendo no ápice uma brácteas bem longas, que é como um apêndice de onde se origina o nome cientifico.

 

Dicas para cultivo: É de fácil cultivo, pois se adapta a diversos tipos de clima e solo. Pode ser cultivada desde o nível do mar até 1.000 m de altitude. Aprecia índices de chuvas podem variar de 600 a 1.800 mm anuais, com a umidade do ar variando de 35 a 75%. Os solos que essa espécie prefere são: os cambissolos (arenosos e ricos em matéria orgânica), latossolo (terra vermelha ou terra amarelada) ou qualquer terreno que tenham as mesmas características de serem bem drenados, profundos e com boa fertilidade natural e tenham pH variando de 4,5 a 6,0. Apesar de ser originário de climas quentes, a planta resiste muito bem a mínimas de até - 3 graus e a longos a períodos de seca de até 6 a 7 meses sem chuva. Essa espécie começa a produzir com 3 a 4 anos após o plantio.

 

Mudas: Suas sementes discoides e achatadas devem ser colhidas de frutos maduros e lavadas em água corrente sobre uma peneira, devendo essas serem secas ao sol por 5 horas. Normalmente as sementes devem ser semeadas logo após beneficiadas em sementeira ou saquinhos individuais de 17 por 22 cm, contendo o seguinte substrato: 1 parte de terra vermelha de superfície peneirada, 1 parte de húmus de minhoca ou composto orgânico bem curtido e 1 parte de casca de folhas secas triturada e peneirada. Após os ingredientes serem misturados preencha as embalagens e cubra as 2 sementes por embalagem com 1 cm de substrato. A irrigação deve ser feita todos os dias e a germinação é quase 100% e ocorre em 45 a 75 dias. As mudas atingem 30 cm de altura com 10 meses após a semeadura, quando já podem ser plantadas em local definitivo. 

 

Plantando: Recomendo que seja plantada a pleno sol num espaçamento 5 x 5 m. As covas devem ter dimensões de 50 cm nas 3 dimensões e convém misturar 30% de areia saibro + 30% de matéria orgânica aos 30 cm de terra da superfície da cova, deixar curtir por 2 meses. A melhor época de plantio é outubro a janeiro, convém irrigar 10 l de água após o plantio e a cada 15 dias se não chover. Recomendo plantar essa espécie em solos arenosos ou muito bem drenados.

 

Cultivando: A planta cresce rapidamente e não necessita de cuidados especiais, apenas deve-se fazer capinas periódicas para que o mato não sufoque a planta. Fazer apenas podas de formação eliminando os ramos que nascerem na base do tronco e os galhos voltados para baixo ou para o interior da copa. Adubar com composto orgânico, pode ser 2 pás de cama de frango + 30 g. de N-P-K 10-10-10 distribuídos em círculos à 5 cm de profundidade e distanciados 10 cm do caule. É muito resistentes a pragas e doenças.

 

Usos: Frutifica em março a maio. Os frutos podem ser consumidos in natura. A arvore é perenifólia e de porte reduzido e por isso serve muito bem para arborização urbana sob redes elétricas. A bela folhagem e as flores brancas tornam a planta muito decorativa para pequenos jardins, além de seus frutos atraírem pássaros. Essa espécie não pode faltar em projetos de reflorestamentos, pois a planta é muito rústica quando em solos fracos e a pleno sol e sua produção precoce de frutos alimentam a fauna em geral. As flores são melíferas e indicadas principalmente como pasto apícola para as abelhas indígenas.

 

Consulte-nos pelo e-mail hnjosue@ig.com.br para saber se temos sementes ou mudas disponíveis.  

 

Voltar para Frutas do mato ou Voltar para família das Myrtaceae

 

.