SOLANUM MELISSARUM

(antes Cyphomandra divaricata)

FAMILIA DAS SOLANACEAE

 

AGRADECEMOS SUA VISITA E DESEJAMOS QUE AS INFORMAÇÕES LHE SEJAM ÚTEIS PARA AJUDAR A PRESEVAR NOSSA FLORA E MELHORAR A QUALIDADE DE VIDA. MAS GOSTARIA DE LEMBRAR QUE MUITO TRABALHO, PESQUISAS E CUSTOS ESTÃO ENVOLVIDOS PARA PODER DISPONIBILIZAR INFORMAÇÕES GRATUITAMENTE. DESSA FORMA APRECIAREMOS SUA COLABORAÇÃO EM ADQUIRIR OS GUIAS FRUTAS DO MATO PARA AJUDAR A MANTER O PROJETO, OU TAMBÉM ACEITAMOS DOAÇÕES QUE PODERÁ NOS ESCREVER SOBRE NO E-MAIL QUE ESTÁ NO FINAL DESSA PAGINA.  

 

FRUTOS E FOLHAS

FRUTOS MADUROS ABERTOS

 

NOMENCLATURA E SIGNIFICADO: TOMATÃO VERDE DO MATO; o nome indígena, a etimologia ou significado não foi descoberto. Também recebe os nomes: Fruta de veado, Tomate de Paca e Tomate do mato.

 

Origem: É planta rara e ocorre nas formações da floresta ombrófila densa e da floresta estacional e semidecidual, sempre aparecendo próximo a pequenos riachos. É nativa da Região Nordeste e principalmente na região Sul e Sudeste do Brasil.

Mais informações no link: http://servicos.jbrj.gov.br/flora/search/Solanum_melissarum

 

OBSERVAÇÕES: Rara e saborosa frutífera encontrada em nossas expedições em 2011. Na época não tínhamos certeza de sua correta identidade. Depois de frutificar no Sitio Frutas Raras conseguimos identificar com precisão e agora temos mudas dessa raridade.

 

Características: Arvoreta completamente glabra (sem pelos) que cresce de 2 a 4 m de altura com tronco único ou ramificado com 2 a 5 caules secundários formados de brotações anuais. O tronco atinge diâmetro de 6 a 12 cm, tem casca esverdeada quando jovem, tornando-se acinzentado na idade adulta. A copa é aberta e tem forma de teça e não ultrapassa a metade da altura da planta. As folhas de plantas jovens são maiores do que as plantas adultas. As folhas são simples, ocasionalmente lobadas (com recortes), membranácea (textura delicada), alternas, com distribuição espiraladas, fixadas sob pecíolo (haste ou suporte) cilíndrico de 4 a 8 cm de comprimento. A lamina foliar é ovada (forma de ovo), medindo 4 a 12 cm de comprimento por 3 a 7 cm de largura, com base cordada (como coração) e ápice acuminado (com ponta longa). Essa espécie é facilmente identificada por se observar pubescência (pelinhos finos e densos) nas folhas jovens) As flores surgem em racemos (cachos) axilares, de 5 a 10 cm de comprimento, contento 4 a 12 flores com pedicelo (haste ou suporte) de 1 a 3 cm de comprimento. As flores têm cálice (invólucro externo) lobado (com recortes e insignificantes) e corola (invólucro interno) estrelada. Os frutos são bagas globosas, oblongas (mais longa que larga) cilíndricas e esverdeadas mesmo quando maduras, com de 4 a 6 cm de comprimento por 2,5 a 4 cm de largura.

 

Dicas para cultivo: Planta de rápido crescimento, fácil cultivo e muito rústica, natural do clima subtropical, sendo resiste bem a geadas de até – 2 grau e a seca de até 4 meses. Pode ser cultivada em todo o Brasil, em qualquer altitude; adapta-se bem aos solos arenosos ou argilosos e vermelhos que sejam profundos, que mantenham boa umidade, com pH de acido a neutro e com boa quantidade de matéria orgânica dissolvida. A planta aprecia ser cultivada na sombra onde produz abundantemente e tem seu ciclo de vida prolongado ente 6 a 12 anos.

 

Mudas: Sementes são pequenas com forma de disco, de cor creme esbranquiçada, que são facilmente retiradas da polpa por lavagem em água corrente. Após lavadas podem ser secas ao sol por 3 a 4 horas e guardadas em frascos tampados conservando o poder germinativo por até 2 anos. As sementes devem ser semeadas em jardineiras contendo substrato organo arenoso. A germinação se dá em 30 a 60 dias e as plântulas podem ser transplantadas para sacos individuais quando estiverem com 10 a 15 cm. As mudas devem ser formadas em ambiente sombreado e atingem 40 cm com 8 a 10 meses de idade. A frutificação inicia-se com 2 anos após o plantio, dependendo do solo e tratos culturais.

 

Plantando: Deve ser plantada a preferencialmente na sombra de outras arvores já desenvolvidas ou em reflorestamentos mistos, visando a rápida produção de frutos comestíveis para a fauna em geral. No pomar planta-se num espaçamento de 3 x 3 m, onde as covas devem ter 50 cm de largura, altura e profundidade, devendo ser preenchidas com 20% de areia e cerca de 5 a 6 pás de composto orgânico bem curtido; caso o solo seja muito acido é bom colocar 1 kg de calcário na cova e deixar curtir por 3 meses antes do plantio. Irrigar com 10 l de água por semana nos primeiros 2 meses. Pode ser planta próximo a cursos de água.

 

Cultivando: Fazer apenas podas de formação da copa e eliminar os galhos que nascerem na base do tronco ou que se cruzarem para o interior da copa. Adubar com composto orgânico, pode ser 3 pás de cama de frango bem curtida e + 30 gr de N-P-K 10-10-10 dobrando essa quantia a cada ano até o 2ª ano e continuar adubando anualmente na primavera. Lembrar de distribuir o adubo na projeção da copa com distancia do tronco igual à medida da circunferência deste.

 

Usos: Frutifica nos meses de março a julho. Os frutos são muito bonitos por terem uma cor verde e manchas verticais decorativas, são comestíveis tanto in natura como na culinária. A casca é fina e macia e a polpa interna é sucosa e tem gosto acidulado que lembra uma mistura de tomate com maracujá. A polpa pode ser usada para fazer sucos refrescantes. Os frutos cordados ao meio e sem a polpa podem ser secos assim como se prepara o tomate seco. Os frutos fatiados podem ser refogados até virar um tipo de molho de tomate. As flores são belas e ornamentais. A planta pode ser cultivada em projetos de reflorestamento, pois seus frutos alimentam macacos, quatis, porcos do mato, pacas e outros animais. Essa espécie tem um grande potencial para a fruticultura familiar.

 
Consulte-nos pelo e-mail hnjosue@ig.com.br ou veja nosso catalogo de mudas disponíveis clicando aqui.  acompanhe-nos no Facebook

 

Voltar para Frutas do mato ou Voltar para família das Solanáceas

 

.